Corrida de Aventura

Adventure Racing World Series: explorando o mundo

Por Adventuremag em 30 janeiro 2020
mm

Há muitos circuitos mundiais de diferentes esportes, mas ter a oportunidade de conhecer paisagens e culturas em primeira mão e explorar realmente novos lugares, nada chega perto do Adventure Racing World Series. O ARWS 2020 passará por 10 destinos ao redor do mundo nos 6 continentes e inclui algumas locações que está na lista de todo aventureiro e outras que mesmo viajantes veteranos nunca ouviram antes.

As corridas possui percursos de até 600 quilômetros que podem durar de 4 a 6 dias sem paradas obrigatórias, onde os participantes correm, andam, pedalam, remam, descem corredeiras, passam por cavernas, escalam rochas e enfrentam outros desafios inesperados também. Os participantes conhecem ilhas tropicais, vulcões, desertos, selva, campos de gelo, centros urbanos, patrimônios da UNESCO, ruínas históricas e vilas vibrantes.

A volta ao mundo

O tour da corrida de aventura começa e termina na América do Sul, começando na Argentina em fevereiro e terminando em setembro na Expedición Guaraní, anfitriã do 2020 World Championship, no Paraguai.

Expedición Guaranía. Foto: Ágatha Boveda

Os participantes do The Patagonia Raid em fevereiro, abertura do circuito, terão como pano de fundo os glaciares e vulcões dos Andes, com base na cidade de San Martin de los Andes.

A seguir o circuito segue para a Expedition Africa em Lesotho por uma região fora do circuito turístico. Na verdade, fora de qualquer caminho e as equipes serão questionadas pelos pastores nômades não acostumados a ver visitantes de fora.

A organizadora Heidi Muller comentou, “Quando as equipes verem suas condições de vida e como é fascinante esse estilo de vida, ficaremos surpresos se nenhuma equipe deixar essa região simples e agradecidos pelos seus próprios estilos de vida em casa.”

Lesotho é conhecida como ‘Reino no Céu’ e possui o ‘ponto baixo mais alto’ de qualquer outro país do mundo, portanto as equipes estarão sempre em grande altitude e apesar de estarem na África, estará frio em alguns momentos.

O PC12 Adventure Race, na Colômbia, acontecerá na região de Antioquia, onde nunca aconteceu uma corrida antes e ficou fechada para visitantes em épocas anteriores. Agora o país está aberto para ser explorado novamente e o diretor Ricardo Velez diz, “será uma competição caracterizada por campos abertos e muitas montanhas, com altitudes entre 400m e 2.700m acima do nível do mar. Nas partes mais baixas as temperaturas podem chegar a 35-40ºC e nas montanhas com clima ruim, apenas 10ºC.

“As equipes passarão por cidades e vilas que ainda usam mulas como transporte e remarão por rios cristalinos em meio à selva.”

A Expedition Oregon será o passo seguinte e acontecerá na região do The Oregon Fossil Beds e Ochoco Mountains.

O diretor Jason Magness descreve o percurso como sendo, “em sua maior parte deserto, montanhas, florestas e cânions. Região dos cowboys ranzinzas com um pouco de neve nas montanhas mais altas e alguns rios com grande volume de água para remar.” Completou ainda dizendo que a região é vasta e pouco explorada.

Saindo das Américas, o circuito segue para a Europa e duas corridas muito diferentes oferecerão umas das melhores seções de canoagem.

A Nordic Islands Adventure Race leva os participantes para uma seção urbana, com passagem pela capital Estocolmo. Outras corridas passaram por dentro de cidades antes e a NIAR trouxe de volta os velhos tempos para depois mandar as equipes para as águas selvagens do Arquipélago Estocolmo.

“Esta corrida será a primeira neste formado. Nas primeiras 24 horas teremos novas seções e espetaculares seções de cordas nas regiões centrais de Estocolmo,” disse o organizador Staffan Björklund. “Em seguida as equipes entrarão no arquipélago que possui 30.000 ilhas e locais únicos. Acredito que elas passarão por 20 parques nacionais.”

Na Adventure Race Croatia as equipes remarão na águas azuis e cristalinas do mar Adriático até chegar à costa para começar a subida dos Alpes Dináricos. Entre as conhecidas formações de pedras de calcário as equipes escalarão e entrarão em cavernas. A região é rica em resquícios romanos e locais históricos onde elas encontrarão os postos de controle.

Em junho haverá 3 corridas em diferentes continentes. O circuito volta para a América do Sul para o Huairasinchi no Equador. O país tem muitas regiões selvagens que inclui vulcões e selvas e sempre foi uma das corridas mais difíceis do mundo.

Adventure Race Malaysia é uma nova adição ao World Series, após participar como corrida de demonstração em 2019.

A prova acontecerá em Sarawak, na ilha de Borneo, e Brandon Chee promete uma jornada exótica por costeiras, cavernas, selva, plantações e rios.” Ele completou, “passaremos por 3 parques nacionais e um patrimônio da UNESCO, e as equipes visitarão grandes casas nativas onde estará acontecendo o festival Gawai Dayak.

A única corrida de demonstração deste ano será a XPD Canada, que acontecerá pela primeira vez em Okanagan Valley na Columbia Britânica. Água e vinho serão os destaques porque há mais de 100 Km de lagos na região… e mais de 100 vinícolas também! Como esperado, as equipes remarão canoas e haverá seções e natação e StandUp Paddling.

A última parada antes do mundial acontecerá na Austrália com a XPD em Queensland. A corrida tem como tema “Rios de Ouro” e é baseado na corrida de ouro que aconteceu na região. As equipes cruzarão o Great Dividing Range até as minas de ouro, remando por grandes rios e caminhando e pedalando por florestas e pelo outback.

O diretor Craig Bycroft disse, “Se as equipes tiverem sorte poderão encontrar um pouco de ouro no caminho e trazer de volta ao QG (que é uma cidade-porto da época). Elas terão que mostrar a mesma tenacidade, resistência e fazer o que os exploradores fizeram para conquistar sua riqueza e completar a corrida.”

E como dito, para finalizar as melhores se encontrarão na Expedición Guaraní, no Paraguai, onde não terão mar para remar, mas há grandes rios e cachoeiras em meio à mata. A navegação é sempre exigente e o fato da maioria dos moradores do interior falar apenas o idioma Guaraní tornará a vida dos navegadores mais complicada, sem a opção de pedir informações.

Para saber mais: www.arworldseries.com