Destaques Trail Run

Panorama do Ultra Running 2020

Por Adventuremag em 8 janeiro 2020
mm

Neste estudo, foram explorados os principais tópicos relacionados a ultra running nos últimos 23 anos. Foram analisados 5.010.730 resultados de 15.541 eventos de ultra running, tornando o maior estudo já feito sobre o esporte.

Resultados chaves

  • As mulheres são mais rápidas que os homens em distâncias acima de 195 milhas. Quanto maior a distância, menor a diferença de ritmo entre os gêneros. Nos 5 Km os homens correm 17.9% mais rápido que as mulheres; na distância de maratona a diferença é de apenas 11.1%; nas corridas de 100 milhas a diferença diminui para apenas 0.25% e acima de 195 milhas, as mulheres são 0.6% mais rápidas que os homens
  • A participação aumentou 1676% nos últimos 23 anos – de 34.401 para 611.098 participações anuais – e 345% nos últimos 10 anos – de 137.234 para 611.098. Nunca houve tantos ultra runners.
  • Mais ultra runners estão competindo em múltiplos eventos por ano. Em 1996, apenas 14% dos corredores participaram em múltiplas corridas anualmente. Agora, 41% dos participantes fazem mais de uma corrida por ano. Há também um aumento significante na porcentagem de pessoas que fazem 2 corridas por ano, 17.2% (de 7.7% para 24.9%) e 3 corridas, 6.7% (de 2.8% para 9.5%).
  • Nunca houve tantas mulheres no ultrarunning. 23% dos participantes são mulheres, comparado com apenas 14% 23 anos atrás.
  • Ultra runners nunca foram tão lentos em relação à distância, gênero e grupo de idade. O ritmo médio em 1996 era 11:35 min/milha e atualmente é 13:16 min/milha. O corredor de nível médio aumentou 1:41 min/milha na média de ritmo, o que significa uma diminuição de 15% desde 1996. Não acreditamos que os corredores individuais tenham ficado mais lentos, mas essas distâncias têm atraído corredores menos preparados porque o esporte se tornou mais popular.
  • Os corredores melhoram seu ritmo nas primeiras 20 corridas e então, estabilizam. Da primeira para a segunda corrida os corredores aumentaram seu ritmo em 0:17 min/milha (2%) na média. Mas quando chegam na 20ª, a melhora é de 1:45 min/milha (12.3%).
  • Os países mais rápidos no ultra running são África do Sul (média 10:36 min/milha), Suécia (11:56 min/milha) e Alemanha (12:01 min/milha).
  • Um número recorde de pessoas foram para o exterior para fazer uma ultrarunning. 10.3% viajaram para fazer uma ultra, nos 5Km essa porcentagem fica em apenas 0.2%.
  • Corredores de distâncias maiores tem um ritmo melhor que os de menor distância em cada grupo de idade.
  • Todos os grupos de idade tem ritmo semelhante, por volta de 14:40 min/milha. O que não é normal, comparando o passado e outras distâncias.
  • A média de idade dos ultra runners diminuiu em 1 ano nos últimos 10 anos. Mudou de 43.3 anos para 42.3 anos.
  • Os ultra runners estão ficando mais dedicados – a média de ultras por ano aumentou de 1.3 para 1.7 nos últimos 23 anos.

Sobre os pesquisadores

O estudo é um produto da colaboração entre Paul Ronto e Vania Nikolova. Ronto é um corredor ávido com 6 maratonas e o diretor de conteúdo da RunRepeat. Nikolova é Ph.D. em Análise Matemática.

Dados e Metodologia

  • Os dados cobrem mais de 85% dos eventos de ultra running em todo o mundo.
  • A análise inclui todas as distâncias acima de 26.2 milhas, incluindo corridas em trilhas e montanhas.
  • A análise inclui corridas definidas por um período superior a 6 horas, uma vez que uma pequena quantidade de corridas ultra não possui uma distância definida.
  • Em 5.010.730 tempos de chegada, apenas 3,77% dos participantes correm em uma corrida cronometrada em comparação com uma corrida de distância definida.
  • O estudo foi realizado em colaboração com a Associação Internacional de Ultrarunners (IAU).
  • Os dados incluem os resultados de 5.010.730 de finishers em mais de 15 mil corridas.
  • Anos 1996-2018

Participação

A participação em eventos de ultra corrida está em ascensão. Houve um aumento de 1676% desde 1996. Havia apenas 34.401 participações em ultra em 96 e agora são 611.098.

Isso é interessante porque depois de 2015, vemos um declínio na participação nos 5Ks e há um nivelamento na participação nas maratonas. Isso sugere que os corredores mais dedicados estão procurando desafios cada vez maiores, à medida que a corrida se torna cada vez mais popular e a maratona é considerada mais mainstream do que extrema.

Quando tomamos 2001 como referência, vemos que a taxa de crescimento de participação em ultrarunning supera a das distâncias de maratonas desde 2009 e a de 5Ks desde 2015.

As tendências de participação nas corridas mais curtas (<50 milhas) e as mais longas (> 50 milhas) mostram um aumento significativo na participação.

A participação nas corridas abaixo de 50 milhas aumentou 33 vezes e nas corridas acima de 50 milhas, 9.3 vezes.

Há 23 anos, a maioria dos corredores ultra competiam em corridas com mais de 50 milhas. Agora, apenas um quarto prefere as distâncias mais desafiadoras.

Das 20 principais nações, França, EUA e África do Sul têm as maiores parcelas dos ultra runners do mundo.

Quando pegamos o número de corredores do país em comparação com sua população, vemos que o quadro muda drasticamente – a França ainda é o número 1, mas os próximos são o Japão e a Suíça. Aqui, os Estados Unidos estão na 11ª posição e a África do Sul na 12ª.

As informações mostradas até agora são baseadas no número de participações por ano, e não no número de participantes únicos. É claro que existem muitos corredores ultra que realizam mais de uma corrida por ano. Fizemos essa análise e mostra que o número de participantes únicos em 1996 era de 24.102 e agora é de 329.584 – um crescimento de 1.267%.

A distribuição dos participantes com base no número de corridas que eles realizam todos os anos é mostrada aqui.

Ainda assim, a maioria dos participantes realiza uma ultra por ano, mas há definitivamente um aumento no número médio de corridas por ano – de 1,3 por ano para 1,7 corridas por ano.

Em 1996, apenas 14% dos corredores participaram de várias corridas por ano, agora 41% dos participantes realizam mais de um evento por ano. Há também um aumento significativo no número de pessoas que realizam 2 corridas por ano, 17,2% (de 7,7% para 24,9%) e 3 corridas, 6,7% (de 2,8% para 9,5%).

Distribuição dos participantes por gênero

Como esperado, quanto maior a distância menor o número de participantes do sexo feminino – há uma diferença de 45% na participação feminina em 5Ks e nas corridas mais longas.

Embora o número de mulheres em ultrarunning ainda seja pequena, na verdade nunca foi tão alta. Nos últimos 23 anos, a porcentagem de participantes do sexo feminino em relação aos homens aumentou 64% (um aumento nominal de 9%).

Existem grandes diferenças nacionais. Vemos que na Austrália, Canadá e EUA o número de mulheres é muito superior à média mundial (23%) para a participação feminina em maratonas. É interessante que os países com a menor porcentagem de ultra femininos sejam europeus, que possui fortes tradições em corrida.

Ritmo médio

Como em todas as outras distâncias, discutidas em nosso artigo sobre o estado da corrida, os corredores ultra também estão ficando mais lentos.

Como o ultrarunning inclui todas as distâncias maiores que uma maratona, há uma enorme variedade de corridas. Por esse motivo, compararemos ritmos médios. Em geral, o ritmo médio dos corredores ultra aumentou de 11:35 min / milha para 13:16 min / milha (15%).

Diferença de ritmo por distância

É surpreendente ver que o ritmo médio dos corredores ultra nas distâncias mais curtas é bem mais lento que o ritmo médio dos corredores nas distâncias mais longas. Mas faz sentido porque as distâncias mais longas estão atraindo os corredores mais dedicados.

O ritmo dos corredores nas distâncias inferiores a 50 milhas mudou de 16:02 para 16:47 min / milha (uma diminuição de 5%). Para os corredores nas distâncias acima de 50 milhas, a mudança é de 11:31 para 13:09 min / milha (uma diminuição de 14%).

Ainda assim, comparar o ritmo por grupos a distância não nos fornece toda a informação. Por esse motivo, o próximo gráfico mostra a mudança de ritmo nas 4 ultra-distâncias mais populares – 50K, 50 milhas, 100K e 100 milhas.

A maior surpresa aqui é o comportamento dos corredores de 100 km e 100 milhas. O ritmo dos corredores de 100 milhas se manteve consistente nos últimos 23 anos e agora eles são os mais rápidos. O ritmo desses corredores mudou de 9:58 para 9:46 min / milha – uma melhoria de 12 segundos ou 2%. Os corredores desta distância são os únicos que não diminuíram a velocidade. Comparando com todas as outras distâncias, isso é bastante surpreendente. Isso mostra que apenas os corredores mais dedicados atingem esse nível de competição. Além disso, como as 100 milers são bastante extremas, elas provavelmente atraem o mesmo público com o mesmo nível de condicionamento físico agora quanto há 20 anos.

Os corredores nos 100Ks desaceleraram, mas permaneceram bastante rápidos. No entanto, seu ritmo médio mudou de 9:19 para 9:59 min / milha. Uma desaceleração de 0:40 min / milha de 7%.

Os corredores nos 50Ks abrandaram ainda mais – de um ritmo médio de 10:53 a 13:26 min / milha. Esta é uma desaceleração de 2:33 min / milha ou 23%.

Os corredores nas 50 milhas mudaram seu ritmo médio de 11:24 para 11:59 min / milha. Uma desaceleração de 0:34 min / milha ou 5%.

Diferenças de gênero no ritmo

Os ritmos médios de ambos os sexos estão bem próximos agora. O ritmo feminino mudou de 12:25 para 13:23 min / milha – uma desaceleração de 58 segundos (8%). O ritmo masculino mudou de 11:24 para 13:21 min / milha – uma desaceleração de 1 minuto e 57 segundos (17%).

O que se torna evidente é que, quanto maior a distância, menor a diferença. Nas corridas de 100 km, a diferença é de 0,5% e nas corridas de 100 milhas, as mulheres são apenas 0,25% mais lentas que os homens. O fenômeno de que as mulheres são melhores no ritmo do que os homens é examinado mais detalhadamente aqui.

E o que é realmente surpreendente é que as mulheres se tornam mais rápidas do que os homens nas distâncias mais extremas, acima de 195 milhas.

Diferenças de ritmo por país

Os melhores ultra runners são da África do Sul, com um ritmo médio de 10:36 min / milha. Os segundos classificados são Suécia (11:56 min / milha) e Alemanha (12:01 min / milha).

As nações mais lentas são a Argentina (15:20 min / milha), o México (15:30 min / milha) e a Malásia (15:55 min / milha).

Todos esses países desaceleraram nos últimos 10 anos. Os países que mais desaceleraram estão entre os mais lentos do ranking.

A Argentina foi a que desacelerou mais – em 5:08 min / milha – depois vem o México (5:04 min / milha) e a Polônia (4:10 min / milha). Os países menos lentos são a China (3 segundos / milha), a África do Sul (30 segundos / milha) e os EUA (59 segundos / milha).

Classificação do país por gênero

Ranking feminino

As mulheres mais rápidas são da África do Sul, com um ritmo médio de 11:11 min / milha. O segundo é a Suécia (12:27 min / milha) e a Alemanha (12:33 min / milha).

As mulheres mais lentas são do México (16:00 min / milha), Argentina (16:19 min / milha) e Malásia (16:40 min / milha).

Ranking masculino

Os homens mais rápidos também são da África do Sul (10:23 min / milha), Suécia (11:43 min / milha) e Alemanha (11:53 min / milha).

Os homens mais lentos são da Argentina (15:01 min / milha), México (15:06 min / milha) e Malásia (15:54 min / milha).

As mulheres da África do Sul são mais rápidas que os homens de todos os outros países, fora a África do Sul. As mulheres da Suécia são mais rápidas do que todos os homens, exceto os países Top 4.

As mulheres da Alemanha são mais rápidas que os homens de 15 países.

Até as quintas mulheres mais lentas – as da Espanha – são mais rápidas que os homens mais lentos da Malásia.

Idade

Desde o artigo State of running, sabemos que os corredores nas distâncias padrão nunca foram tão velhos.

Mas no ultrarunning, a idade média dos participantes diminuiu 1 ano nos últimos 10 anos. Foi alterado de 43,3 para 42,3 anos.

As mulheres são em média 1,3 anos mais jovens que os homens em ultra running. Além disso, a idade média dos corredores ultra vêm em diminuição constante nos últimos 10 anos. A idade média das mulheres diminuiu 1,2 anos nos últimos 10 anos e a idade média dos homens, 1,1 anos.

Geralmente, quanto maior a distância, mais velhos os participantes. Como podemos ver no gráfico abaixo, isso é verdade com 1 exceção – 5Ks. Isso se deve ao fato de que os 5Ks são menos desafiantes e atraem corredores de todas as idades, e os corredores dedicados continuam competindo com 60, 70 anos e até mais.

A distribuição etária dos corredores permaneceu bastante estável. A mudança mais notável está na diminuição de participantes com menos de 30 anos e no aumento na proporção de participantes na faixa dos 50 anos.

Cerca de 70% de todos os corredores têm entre 30 e 40 anos.

Idade e ritmo

Todas as faixas etárias desaceleraram e, agora, o ritmo médio de todas as faixas etárias é quase igual. É uma grande surpresa e não vemos essa convergência em nenhuma outra distância.

Os participantes mais jovens mudaram o ritmo de 10:44 para 14:42 min / milha – uma desaceleração de 3:58 min / milha (37%). Os participantes na faixa dos 30 anos mudaram de ritmo de 10:40 para 14:38 min / milha – um aumento de 3:58 min / milha (37%). Os participantes mais jovens desaceleraram mais.

Os participantes na faixa dos 40 anos mudaram de 11:09 para 14:14 min / milha – uma desaceleração de 3:33 min / milha (32%). Os participantes na faixa dos 50 anos mudaram o ritmo de 11:51 para 14:42 min / milha – um aumento de 2:50 min / milha (24%). E os participantes mais velhos mudaram o ritmo de 12:53 para 14:55 min / milha – uma desaceleração de 2:01 min / milha (16%).

Quanto maior a ultra distância, melhor o ritmo das mulheres.

Isso é verdade também para os homens.

Ambas as tendências são peculiares – nas distâncias padrão (até uma maratona), não vemos nada assim. Lá a meia maratona é a distância mais rápida.

É interessante como as distâncias maiores correspondem a um ritmo melhor. Isso se deve ao fato das ultra runnings, em geral, atrair mais corredores experientes. E como podemos ver, quanto mais longa a ultra-distância, atraem corredores mais rápidos.

Tendências de viagem

Dentre os ultra runners, vemos uma grande porcentagem de pessoas que viajam para um país diferente para correr.

As pessoas estão viajando mais para um desafio maior. Talvez porque esses eventos sejam mais raros, ou talvez porque seja uma conquista maior e que mereça mais planejamento e gastos.

Se compararmos a % de viajantes na Europa e nos EUA, obtemos o seguinte resultado.

As pessoas na Europa viajam muito mais para países estrangeiros do que as pessoas nos EUA. Isso se deve à proximidade desses países e às fronteiras abertas na UE.

Padrões de corridas

Também examinamos como o comportamento dos corredores muda no decorrer de suas carreiras.

A maioria dos ultrarunners escolhe uma distância menor para sua estréia. Então eles se desafiam cada vez mais até a 15ª corrida. Depois disso, com a idade e a experiência, eles começam a escolher distâncias mais curtas, e podemos extrapolar que correm mais por prazer do que por conquista.

O ritmo dos ultra runners muda durante suas carreiras. No começo, apesar de estarem correndo provas mais curtas, o ritmo é bastante lento. Com a experiência, o ritmo melhora nas 20 primeiras corridas. Depois disso, os corredores estabelecem seu ritmo confortável, e ele permanece bastante estável.

Sobre a IAU

A Associação Internacional de Ultrarunners (IAU) está operando sob o comando da IAAF e dedica-se a desenvolver a ultra distância internacionalmente dentro das Regras e Regulamentos da IAAF. Como órgão governamental internacional para as corridas de ultra distância, os principais objetivos são promover e desenvolver corridas de longa distância em todo o mundo.

Sobre o RunRepeat

A RunRepeat.com ajuda corredores e atletas a encontrar o calçado certo com facilidade. Ao agregar análises e preços de toda a Web e pontuar os calçados esportivos usando seu sofisticado sistema CoreScore, a empresa grande um processo de compra rápido e simples. Esteja você procurando os mais recentes tênis de trilha, asflato, calçados de treinamento ou tênis casual, o RunRepeat ajuda a garantir que os usuários obtenham os calçados certos pelo melhor preço.

Sobre Paul Ronto

Paul adora aventura. Nos últimos 20 anos, ele escalou, caminhou e rodou por todo o mundo. Ele alcançou picos nas Américas, percorreu a África e testou sua resistência em corridas de trilhas de 24 horas. Ele trabalhou na indústria outdoor como um guia de caça e águas brancas, testador de equipamentos, redator e especialista em vestuário em locais como The National Outdoor Leadership School, No Barriers USA e Sierra Trading Post.. Ele foi citado no NYMag, NBCNews e Business Insider dentro outros.


Estudo sobre ultra running realizado pela RunRepeat em parceria com a IAU – International Association of Ultrarunners e reproduzido com autorização do autor. Tradução por Adventuremag.