Chauás 300km/Petar: a conquista de um sonho

Por Pedro Alex R. Viana - 17 Set 2012 - 14h45

Feriado de 7 de setembro se aproximando, malas no carro, bike pendurada atrás, mochila de rango, reggae tocando no som. Bom, a configuração normal de quem está indo passar o feriado numa praia relaxando, pegando um sol e tomando cerveja com os amigos. Mas não era nosso caso. Iríamos dirigir por mil kilometros, de Ouro Preto até o interior sul de São Paulo, para fazer muita força e sofrer muito. A cidade que nos esperava era Iporanga, entrada para o parque do Petar: um conjunto de cavernas magníficos onde estalagmites e estalactites são tão normais como as bromélias.

Estava realizando um sonho, competir o Chauás 300km. Seria a primeira vez que eu e o Hugo iríamos fazer uma prova expedicionária de verdade. E, também, pela primeira vez contaríamos com uma equipe de apoio. Levei minha namorada, Mariana, e um amigo, Giordano, para fazer nosso apoio.

A prova foi dividida em 178km de bike, 82km de remo e 30 km de trekking. É necessário notar que apesar da pouca distância do trekking ele não seria nada fácil. Os organizadores jogaram as equipes para atravessar a Trans-Petar de noite. Dando uma vasculhada na internet encontrei uma dissertação de mestrado sobre corrida de aventura, em antropologia, que reportava o seguinte trecho sobre a Trans-Petar:

"Havia uma grande etapa de trekking (60km) que percorria uma antiga trilha do parque conhecida como "trans-Petar". Nessa etapa da corrida algumas equipes tiveram problemas para se deslocar e encontrar o caminho correto no meio da Mata Atlântica. Essas equipes ficaram perdidas por algumas horas (aproximadamente 36 horas). Duas equipes tiveram que ser resgatadas com uso de helicóptero pela equipe de socorro do exército. Apesar de ficarem perdidos na floresta, os integrantes das equipes não sofreram qualquer tipo de lesão grave. Esse acontecimento demonstrou a inexperiência de algumas equipes com relação à orientação no interior da mata. Por outro lado, a equipe da Nova Zelândia surpreendeu os organizadores da corrida, concluindo esse percurso de trekking com orientação em apenas oito horas". (Ferreira, 2003:40)

Ou seja, teríamos, nada mais nada menos, que o mítico trecho da Trans-Petar que na EMA 99 aniquilou as equipes brasileiras. Mas os anos se passaram, as técnicas de navegação foram aprimoradas no Brasil e, hoje, temos muitas provas que nos colocam a prova a navegação. Estava nervoso pela Trans-Petar e, para piorar, os moradores locais faziam questão de enfatizar que a região é cheia de onça parda. Além de correr o risco de ficar perdido dentro de uma mata atlântica fechada, ainda corria o risco de ser mordido por onça. Quer aventura? Agora aguenta!

Harpya na Chauás 300 2012

Largada foi dada com um pequeno trekking dando um desfile pela cidade. Em seguida pegamos as canoas canadenses e partimos para 26km de remo pelo rio Ribeira. Mal começou o remo e já viramos a canoa. Das primeiras posições que ocupávamos, em menos de meia hora, estávamos em último. A canoa virada pela quinta vez, o Hugo vai tentar entrar com pressa e, já estressado, tropeça na canoa e cai de peito na praia do rio. Passa por nós os últimos colocados - uma canoa com três integrantes - a menina que fazia o leme não se controla e solta uma bela gargalhada daquela cena de dois patetas sem a mínima técnica levando um verdadeira "surra".
- kkkk, ainda bem que não somos os últimos mais!! Completa ela.

Sem problemas, a pressa era última coisa que tínhamos naquele momento. Antes de mais nada precisávamos terminar aquele remo. Aos poucos fomos pegando o jeito e buscando posições. Numa das corredeiras mais difíceis, tinha uma galera fazendo portagem, outras viradas e resolvi encarar. Passamos ilesos!

Transição rápida e pegamos a bike, nosso forte. O trecho era rápido, de asfalto e com pouca navegação. Socamos a bota e fomos buscando as equipes uma a uma. Chegamos na área de transição para iniciar o trekking. Nossa equipe de apoio estava perfeita com um miojo preparado. Transição rápida e saímos comendo ainda. A primeira parte do trecho era sem grandes dificuldades, mas já começou a selecionar a galera. Continuamos buscando as equipes e batemos no PC4, Núcleo Caboclos, 20 minutos atrás do primeiro pelotão e as três primeiras duplas empatadas: Harpya (nós), Santa Ritta e Field Power.

O staff nos alertou na saída: "agora começa a Chauás". "Sem problemas", pensei comigo, "não preciso de pressa e estou aonde queria estar". Não era momento para medo, apenas calma e navegar direito. Saímos juntos, as três duplas, e íamos nos ajudando na navegação. Um pequeno erro, foi o maior acerto de nossas vidas. Pegamos uma trilha de palmiteiro que juntava mais a frente com a trilha principal e dava um bom corte de caminho. Em vinte minutos estávamos encontrando de frente com a galera que vinha na ponteira da prova - Lobo-Guará, Pedro Pinheiro e Rodrigo Koke. Quando percebemos já tínhamos passado a entrada da trilha que deveríamos pegar. O bom é que lembrávamos o local, pois tinha uma arvore centenária bem onde ela começava.

Montamos uma verdadeira equipe de navegação, onde todos colaboravam: um ia a frente de batedor procurando a trilha, outra ficava atrás conferindo o azimute, outro calculava o tempo. Assim andávamos o tempo orientado e com um calculo bem preciso da nossa localização e de quanto tempo gastaríamos para chegar em cada entrada. Foi perfeito! A meia noite, com 7 horas de trekking, saímos no Núcleo Santana para encontrar nossos apoios e dar um susto neles. Lucas, ainda com um copo de vinho na mão, não acreditava que tínhamos conseguido sair tão cedo daquela floresta. Eu feliz por não ter encontrado nenhuma onça.

Saímos numa bike rápida para pegar o remo outra vez. Ganhamos alguns minutos de vantagem para os outros concorrentes neste trecho. Entretanto, um remo noturno e perigoso nos aguardava. Eu e Hugo estavamos tensos e fomos na manha. Cada baralho de corredeira deixava os nervos a flor da pele e não enxergávamos nada. Apesar de todo cuidado, lá pelas tantas, viramos a canoa. Foi o maior sufoco para conseguir chegar a beira do rio e desvirar. Para compensar, fomos recompensados com um nascer alucinando que deixava a água parecendo um espelho luminoso de cor metálica e purpura.

Na metade do trecho fomos alcançados pela dupla Santa Ritta que vinha fazendo um remo bem melhor que nós dois. Os 56 km de remada eram intermináveis. Cada curva do rio parecia uma eternidade a se cumprir e as dores já se espalhavam por todo o corpo. Nos últimos três kilometros, a cada praia, parávamos para esticar as pernas.

Entregamos o remo as 10 horas da manhã, 20 minutos atrás da dupla Santa Ritta e uns 40 minutos atrás de Pedro Pinheiro. Comemos um macarrão maravilhoso e saímos para o último trecho da prova, 100km de bike. Estava um calor de matar e tínhamos apenas uma estratégia: fazer o máximo de força para conseguir tirar a diferença para dupla Santa Ritta antes da trilha que tinha na metade do caminho; lá seria bem dificil reduzir a diferença. Com 30km de pedal passamos por eles numa subida, estava um calor de matar e todo mundo estava sofrendo.

Assinamos o último PC bem na entrada da trilha. Quando avistamos a frente vimos que teriamos uma "pedrada" para superar. A trilha, ou melhor, o complexo de erosões que os jipeiros produziram, em mais de sua metade era impossível de pedalar. E, para piorar, cruzamos com três jipes que no dia fizeram o favor de destruir mais o pouco que restava dela. Pensei comigo, "isso coisa do Lucas para nos fazer sofrer!"

Demoramos quase quatro horas para superar subidas intermináveis e descidas empurrando. Bem na saída da trilha avisto Pedro Pinheiro empurrando sua bike, ele tinha furado o pneu e estava sem bomba. Emprestei minha bomba para ele, estava passando muito mal, não conseguia comer mais nada que tinha na mochila. Ando um pouco e avisto uma família acampando a beira de um rio e fazendo churrasco. Não pensei duas vezes, parei e pedi para eles me venderem uns pães com carne e refrigerante. A mulher, assustada com aqueles caras parecendo alienígenas saindo do meio do mato e esfomeados, preparou três sanduíches e deu uma garrafinha de refri ainda. Foi um sonho!!

Com a energia revigorada e a fome saciada seguimos rumo a chegada. Era inacreditável estar concluindo umas das provas mais duras do Brasil em primeiro na categoria e na geral junto com Pedro Pinheiro. A chegada foi uma festa, com direito a garrafa de champanhe, cerveja, fotos e beijo da namorada. Concluímos a prova em 33 horas e meia e a previsão dos organizadores era de quarenta horas... Como Gerson da Santa Ritta falou a Lucas, "Desculpa aí o tempo pulverizado na transpetar, mas você queria o quê, um Lobo-Guará farejando, Harpya voando e Santa Ritta abençoando, tudo isso envolvido num campo de força do Field Power... rsss, só podia dar quebra de tempo!"

Chauá é um papagaio em extinção que habita as regiões de florestas úmidas e primárias. Devido ao alto grau de desmatamento que se encontra a Mata Atlântica, cada vez torna-se mais díficil de ser visto, em seu habita natural, esse papagaio. Chauás 300km é uma prova duríssima organizada por Lucas e Fran, que segundo os próprios é para "Poucos e Loucos". Talvez sejamos poucos e loucos mesmo, uma raça em extinção neste mundo de mesmice, de competitividade estúpida, onde as pessoas - assim como aqueles jipeiros detonando as trilhas - pensam a natureza como algo a ser superado. Queremos é se integrar e não superar a natureza. Apenas uma total integração com o meio, se sentir confortável na mata fechada, faz passarmos ilesos por um desafio como esse. Esses poucos e loucos gostam é disso. Somos da turma de Jack Kerouac e não de Lance Armstrong. Deixo um trecho de On the Road para os "Poucos e Loucos":

"(...) E eu me arrastei, como tenho feito toda a minha vida, indo atrás das pessoas que me interessam, porque os únicos que me interessam são os loucos, os que estão loucos para viver, loucos para falar, que querem tudo ao mesmo tempo, aqueles que nunca bocejam e não falam obviedades, mas queimam... queimam... queimam como fogos de artifício em meio à noite".

Chegada Harpya na Chauás 300 2012

Para fechar queria agradecer ao Lucas e Fran e toda a galera envolvida na organização dessa prova maravilhosa e, principalmente, pelo Rock'n'roll em vez de tecno (kkkk). A cidade de Iporanga que nos recebeu de braços e natureza aberta. A minha namorada pelo carinho e o apoio dado durante a prova. Ao Giordano pelo amizade e o apoio. Meu treinador, Nenem, pela compreensão com minha disciplina às avessas. Ao projeto da UFF esporte, que sem a bolsa que me foi concedida não seria possível estar competindo este ano. Ao Hugo por topar essa idéia de retomar a equipe Harpya e ser um puta atleta, valeu irmão! E a todos que fizeram a prova com esse espirito que a Chauás nos solicitou!!

Valeu demais galera!!
Abraços,
Pedro Alex Viana
Harpya

Pedro Alex

 

Pedro Alex R. Viana
Por Pedro Alex R. Viana
17 Set 2012 - 14h45 | sudeste |
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
Cadastro
Cadastre seu email e receba as noticias automaticamente no seu email diariamente