Científico Trail Run

Quais os efeitos da corrida no cérebro

Neurocientistas estudaram corredores de esteira, ultramaratonistas – e alguns animais de laboratórios – para investigar os efeitos da corrida na massa cinzenta.

Pode parecer óbvio – à medida que você avança em uma longa corrida, o seu estado de espírito vai da agonia à euforia – e vice versa – a todo momento. Essa é uma observação que cada vez mais neurocientistas estão levando a sério e nos últimos anos começaram a nos mostrar o que realmente acontece nas “montanhas e vales” da sua massa cinzenta enquanto você corre.

Suas descobertas confirmam o que muitos corredores sabem por experiência própria: podemos usar a corrida como uma ferramenta para melhorar a maneira como pensamos e sentimos. E agora estamos aprendendo exatamente por que correr pode nos fazer ter foco, vencer o estresse e melhorar o humor. Além disso, sabemos por que, se você tiver sorte, poderá ter um breve vislumbre do nirvana.

Seria loucura acreditar que correr é uma solução universal para todos os nossos desafios psicológicos. De fato, da perspectiva do seu cérebro, você pode não querer forçar muito. Os neurocientistas alemães examinaram o cérebro de alguns dos competidores antes, durante e depois da Corrida TransEurope, na qual os competidores percorrem 3.000 milhas em 64 dias consecutivos. No meio dessa ultramaratona absurdamente extrema, a massa cinzenta dos corredores havia encolhido em 6% em volume: o encolhimento “normal” associado à velhice é de apenas 0,2% a cada ano. Felizmente, a história não termina muito mal: oito meses depois, o cérebro dos corredores voltou ao normal.

Mas se cobrir grandes distâncias pode ser contraproducente, fica claro que corridas mais moderadas podem resultar em verdadeiros benefícios. Primeiro, em um mundo em que os smartphones nos bombardeiam com estímulos e obscurecem as fronteiras entre trabalho e vida, uma série de estudos recentes mostra por que correr pode ajudar a recuperar o senso de controle.

Um experimento de 2018 da West Michigan University, por exemplo, mostrou que correr rapidamente por meia hora melhora o limiar de “frequência de oscilação cortical”. Isso está associado à capacidade de processar melhor as informações. Dois outros estudos, da Universidade de Esportes da Lituânia e da Universidade de Nottingham Trent, mostraram que corridas intervaladas melhoram aspectos da “função executiva”. Esse é um conjunto de faculdades mentais de alto nível que inclui a capacidade de direcionar a atenção, diminuir as distrações, alternar entre tarefas e resolver problemas. Entre os jovens estudados, ganhos mensuráveis ​​foram imediatamente identificados após 10 minutos de tiros intervalados. E os ganhos se acumularam após sete semanas de treinamento.

Um estudo de imagens do cérebro liderado por David Raichlen, da Universidade do Arizona, está perfeitamente alinhado com esses resultados. Eles observaram diferenças claras na atividade cerebral em corredores sérios, em comparação com não-corredores. Por razões óbvias, você não pode correr dentro de um scanner cerebral, então os neurocientistas estudaram o cérebro em repouso. Primeiro, eles viram um aumento de atividade coordenada em regiões, principalmente na parte frontal do cérebro, conhecidas por estarem envolvidas em funções executivas e memória funcional. Isso faz sentido. Segundo, eles viram um declínio relativo da atividade na “rede padrão”, uma série de regiões cerebrais vinculadas que entram em ação sempre que estamos ociosos ou distraídos. Sua rede padrão é a fonte de seu monólogo interno, o instigador de divagações e a voz que ruminam seu passado. Seus efeitos nem sempre são bem-vindos ou úteis e foram associados à depressão clínica.

O estudo de Raichlen foi preliminar, mas se corroborado no futuro, reforçará a idéia de que correr pode ser uma forma de meditação plena em movimento. Os escaneamentos do cérebro mostram que a meditação e a corrida podem ter um efeito semelhante no cérebro; engajar simultaneamente funções executivas e desligar a vibração da rede padrão. Novamente, isso parece ser intuitivamente o que acontece: no meio de uma corrida, é provável que você esteja imerso no momento presente, sintonizado com seu estado corporal e consciente de sua respiração. Tudo isso são os principais objetivos das práticas baseadas no mindfulness. Seguir seus treinadores e correr pode, portanto, ser uma maneira de colher alguns dos benefícios psicológicos do mindfulness. As empresas também estão de olho nos efeitos terapêuticos da corrida: trabalhei recentemente com a empresa Saucony para criar um podcast sobre os efeitos da corrida na mente.

Tudo isso pode começar a explicar por que algumas pessoas acham que correr, como o mindfullness, pode ser uma maneira de superar o estresse e a depressão. Pesquisas recentes do Instituto Karolinska, na Suécia, mostram, em nível químico, como a corrida pode neutralizar pelo menos uma importante via de estresse biológico.

Quando você está sob estresse, os processos metabólicos do fígado convertem o aminoácido Triptófano em uma molécula com o nome de Quinurenina. Parte dessa Quinurenina encontra um caminho para o cérebro, onde seu acúmulo está fortemente associado à depressão induzida pelo estresse, distúrbios de ansiedade e esquizofrenia. Quando você se exercita, os níveis de uma enzima chamada Quinurenina Aminotransferase aumentam em seus músculos. Essa enzima decompõe a Quinurenina na molécula relacionada, Ácido Quirurênico, que, importante, não pode entrar no cérebro. Dessa forma, exercitar os músculos esqueléticos ao correr, tira da sua corrente sanguínea uma substância que pode causar problemas de saúde mental. É importante notar que, por razões técnicas e éticas, alguns detalhes desse mecanismo foram comprovados apenas em animais de laboratório.

À primeira vista, não é óbvia a associação entre o trabalho dos músculos das pernas e o efeito direto no seu estado mental. Este estudo fornece uma visão rara das ligações muitas vezes misteriosas entre cérebro e corpo – e é um lembrete poderoso de que seu cérebro é apenas mais um órgão do corpo. O que você escolhe fazer com seu corpo terá, inevitavelmente, consequências psicológicas.

Correr pode fazer mais pelo seu humor do que aliviar o estresse. Algumas almas afortunadas se gabam de suas experiências de “runner’s high” (em tradução livre, seria algo como ficar ‘chapado’ ao correr), o que, eles afirmam, é um poderoso sentimento de êxtase e invencibilidade. Isso não acontece com todo mundo, mas agora sabemos mais sobre as potentes recompensas químicas que a corrida desencadeia no cérebro.

A idéia popular de “corrida pela endorfina” nasceu nas décadas de 1980 e 1990, quando uma série de estudos mostrou que os níveis de beta-endorfina aumentam na corrente sanguínea durante uma corrida. A beta-endorfina tem como alvo os mesmos receptores que os opiáceos e tem alguns efeitos biológicos semelhantes. A hipótese da corrida pela endorfina sempre teve uma falha, no entanto, uma vez que a beta-endorfina não atravessa facilmente a barreira hematoencefálica. E se não entrou no seu cérebro, como isso poderia lhe dar uma sensação de bem-estar?

Em 2008, neurocientistas alemães usaram imagens funcionais do cérebro para mostrar que, em corredores treinados, os níveis de beta-endorfina realmente aumentam no cérebro após duas horas de corrida. Altos níveis de atividade da endorfina no cérebro também se correlacionaram com os sentimentos de euforia relatados pelos corredores.

Não são apenas os “opiáceos caseiros” que podem aliviar a dor e elevar o ânimo enquanto você está correndo. Os endocanabinóides são uma família diversificada de substâncias químicas corporais que, como a cannabis, ligam os receptores canabinóides do cérebro. Os níveis de endocanabinóides que circulam no sangue aumentam após 30 minutos de corrida moderadamente intensa na esteira. Experimentos rigorosos, realizados com ratos de laboratório, mostram que os endocanabinóides induzidos pela corrida são responsáveis ​​por reduções na ansiedade e na percepção da dor. É uma boa aposta que o mesmo mecanismo funcione em nossas mentes. Para muitos de nós, correr pode nunca causar uma sensação semelhante a uma droga. Mas agora vemos por que uma corrida que parece matadora no início pode fazer você se sentir satisfeito e à vontade depois.

Alguns desses estudos são preliminares e precisam ser aprofundados. E definitivamente seu sexo, perfil genético, condicionamento físico, expectativas e muitos outros fatores influenciarão a maneira como seu cérebro responde à corrida. Mesmo assim, todos esses estudos neurocientíficos trazem boas notícias.

Embora os benefícios físicos da corrida e do exercício aeróbico estejam bem estabelecidos, estamos começando a ver por que a corrida também pode trazer benefícios profundos para a saúde mental. Felizmente, saber disso redobra sua determinação de sair e correr com mais frequência.

Originalmente por Ben Martynoga