Destaques Trail Run

Esportes de endurance e a crise da meia idade

Paul Flannery cobre os jogos da NBA para um portal esportivo e tem a corrida como hobby. Em um texto publicado no Medium, Paul escreve sobre sua observação das corridas extremas solucionando problemas de crise de meia idade.


Pessoas na meia-idade estão participando em números recordes em treinos intensos e corridas desafiadoras. O que eles estão buscando?

A última coisa que lembro antes de desmaiar foi a dor que sentia no corpo inteiro, curvando minhas costas e fechando meus dedos em forma de garras, provocando pensamentos incoerentes em frente ao meu laptop antes de finalmente desmoronar. Eram três horas da manhã no dia do meu aniversário de 43 anos e a depressão finalmente me consumiu.

Não havia uma razão clara para o porquê disso estar acontecendo. Objetivamente, minha vida foi boa. Eu tinha uma família linda, era dono da minha casa e tinha um emprego dos sonhos na NBA. Mas convivi com uma forma de depressão crônica leve desde a adolescência, e a depressão tem um jeito de pegar tudo que é bom e virar contra você. Meu trabalho era uma panela de pressão com viagens sem fim e noites em hotéis sem dormir. Minha família tentou me dar espaço, mas tudo o que eu realmente queria era fugir. O fato de muitas pessoas sonharem em estar no meu lugar só aumentava os sentimentos de culpa e negatividade. Eu entrei em uma espiral. As coisas tinham que mudar. Eu tive que mudar.

Eu corro há anos, e isso proporcionava um raro alívio do estresse e da ansiedade, embora esse alívio diminuisse com o tempo. Um dia, cerca de um ano atrás, notei uma trilha que eu havia percorrido inúmeras vezes sem nem ao menos olhar ao redor. Ela me chamou a atenção novamente, e eu entrei, mergulhando profundamente nas sombras frias da floresta. Eu corri até que estava a duas cidades à frente. Eu me senti rejuvenescido, em paz. E continuei. Quando sai da floresta horas depois, disse à minha esposa que agora eu era trail runner. Nove meses depois, corri meus primeiros 50 km em um dia frio de abril, com mais de 5.000 pés de ganho vertical em um percurso acidentado e sem marcação.

Em 1957, um psicólogo canadense chamado Elliot Jacques apresentou um artigo à Sociedade Psicanalítica Britânica sobre o que chamou de crise da meia-idade. O artigo ficou esquecido até 1965, quando “Morte e a crise da meia-idade” foi publicada no The International Journal of Psychoanalysis. A teoria de Jacques era que, quando chegamos à meia idade, começamos a perceber nossa própria mortalidade e, consequentemente, começamos a surtar.

O foco é menos no que aconteceu antes da crise e mais no que acontece depois.

Há muito debate sobre se o fenômeno realmente existe como uma questão científica, mas a idéia tem sentido. Envelhecer pode desencadear um tipo de introspecção, e muitas vezes essa introspecção se concentra em quanto tempo se passou, quanto resta e o que fazer com isso. Isso pode criar ansiedade, e essa ansiedade pode ser transformada em depressão, estresse ou a antiga crise-existencial.

Por décadas, a crise da meia-idade foi expressa em clichês da cultura pop, nos quais (geralmente) homens brancos compram carros esportivos e mantêm relações com mulheres mais jovens, numa tentativa desesperada de se sentir jovem novamente. Mas cada vez mais, as pessoas estão respondendo às ansiedades da meia-idade, não agarrando-se aos últimos vestígios da juventude que está sumindo, mas enfrentando desafios que parecem pertencer apenas aos jovens: aumentando os limites do que são fisicamente capazes através das corridas de endurance e forma física extrema. O foco é menos no que aconteceu antes da crise e mais no que acontece depois. Chamo de correção da meia-idade.

Grande participação da meia idade em provas de endurance

Hoje, quase um terço de todos os participantes de triatlon nos Estados Unidos têm entre 40 e 49 anos, de acordo com a organização de triatlon dos EUA. Essa é a maior quantidade de participantes desta faixa etária em uma década e uma das mais competitivas. O mesmo vale para a Maratona de Boston (n.e. 2018) , onde mais de 8.200 corredores na faixa dos 40 anos cruzaram a linha de chegada em abril, pouco mais de 31% do total dos participantes . O maior grupo de competidores da Maratona de Nova York de 2017 foi entre 40 e 44 anos. Em Londres, em 2015, esses corredores entre 40-49 tiveram tempos gerais mais rápidos do que os jovens de 20 a 29 anos.

Os trail runners, abençoados por suas almas hippies, não mantêm registros detalhados, mas como o número de corridas mais que dobrou na última década, o mesmo aconteceu com a participação dos “barbas brancas”. Um trabalho de pesquisa de Martin D. Hoffman e Kevin Fogard descobriu que a idade média dos participantes das ultras de 160 quilômetros era de 44 anos.

É claro que não há como dizer o que motiva as pessoas a se esforçarem assim, mas, pela minha experiência e pela experiência de muitos atletas com quem conversei, estar muito bem preparado fisicamente é menos sobre ser jovem de novo e mais sobre se fortalecer para os próximos anos . Em outras palavras, envelhecer melhor.

Para alguns, uma crise de meia-idade surge do medo de que as fraquezas que o perseguem não sejam apenas desafios temporários, mas uma parte permanente de quem você é. A chance de enfrentar essas fraquezas e reconhecer o poder que elas têm sobre nós é um benefício importante das ultramaratonas, Cross-Fit ou qualquer outro esporte de resistência que as pessoas procurem.

Outros experimentam uma crise de meia idade como uma sensação de relaxamento ou perda de foco ou ambição. Foi assim que Lisimba Patilla, gerente de vendas de 44 anos, se sentia antes de descobrir os triathlons. Três anos antes, o ex-jogador de futebol da faculdade e atleta de pista preocupava-se que estava aumentando sua complacência com a vida e com a perda de competitividade.

Em uma viagem de negócios a Reno, um primo recomendou um livro sobre triathlons, e Patilla ficou tão inspirado que telefonou para a esposa e disse que seria triatleta. Havia um problema significativo. Ele quase se afogou quando tinha 12 anos e a experiência o deixou tão traumatizado que não deixava a água do chuveiro atingir seu rosto.

“Se você cair da bicicleta e machucar sua perna, ainda poderá facilmente subir na bicicleta”, diz Patilla. “Quando você tem uma experiência traumática, isso coloca uma ferida em sua mente e se torna um pesadelo recorrente”.

Patilla comprou o neoprene mais grosso que encontrou e experimentou meia dúzia de snorkels. Em sua primeira tentativa, ele nadou 500 metros e foi retirado da água. A partir daí, ele disse a si mesmo que iria nadar como todo mundo. Patilla ia para a piscina duas vezes ao dia e aprendeu a nadar na parte rasa. Ele competiu novamente alguns meses depois e completou seu primeiro Sprint Triatlon.

“Não posso dizer que não entrei em pânico”, diz ele. “Não posso dizer que um homem adulto não chora. Mas eu consegui. Quando terminei, estava exausto, mas sabia que a partir daquele momento eu poderia fazer isso.” Ele fez e, ao fazê-lo, ganhou uma certa clareza sobre o que é capaz.

Quando Suzanna Smith-Horn se cansou do estilo de vida corporativo aos 40 anos, ela vendeu suas ações em sua startup e largou o emprego. Suas amigas acharam fantástico ter todo esse tempo livre, mas Smith-Horn lutava com a perda de identidade. “A verdade é que é uma situação muito difícil”, diz ela. “Porque você está tentando descobrir, o que deveria estar fazendo na vida? Quem sou eu? Qual é o meu propósito? Eu entrei nesses caminhos da vida onde fiquei bem deprimida. ”

Ela começou a correr e sua questão existencial foi respondida. Ela correu uma maratona e depois avançou para as corridas de 160 quilômetros. Com uma carreira em vendas de tecnologia, Smith-Horn, agora com 51 anos, pode trabalhar em casa, onde tem acesso a uma ampla variedade de trilhas. Há dias em que é difícil sair pela porta, especialmente no frio intenso do inverno, ela diz, mas depois de alguns quilômetros, sua mente se limpa.

Há um momento nas corridas de 160 quilômetros que os ultrarunners chamam de “the dark place”. Geralmente acontece mais para o final da corrida quando tudo vira um inferno e você sente a maior dor da vida. Quando você chega nesse momento, não há mais nada a fazer senão “abraçar a situação”, como disse o psicólogo esportivo Dolores Christensen

“Uma crise de meia idade é uma resposta a um dark place de um tipo diferente.”

Para sua dissertação, Christensen conduziu um estudo de campo com participantes das 100 milhas de uma corrida. Ela acompanhou suas emoções e seus níveis de confiança enquanto passavam por vários estágios. O que ela descobriu é que os corredores que eram capazes de aceitar sua dor e não a consideravam uma ameaça eram capazes de ter sucesso.

“Há realmente algo transcendental nessa experiência”, diz ela. “As pessoas precisam chegar ao limite. De alguma forma, isso é bom para nós, para nos lembrar de nossos limites mortais.

Quando levamos nosso corpo para esse limite, cria-se um sentimento de compaixão e gratidão pelo que seu corpo pode fazer. Ao fazer isso, estimula-se o trabalho, a energia e o esforço que nos levam a fazê-lo novamente. Esse processo se regenera. ”

Isso, para mim, atinge em cheio a questão. Uma crise de meia idade é uma resposta a um “dark place” de um tipo diferente. Pode ser o medo da mortalidade, ou falta de objetivo, futilidade, obsolescência ou perda do eu. Você pode ver essas coisas como ameaças ou aceitá-las como parte de sua existência e seguir em frente.

O que estou fazendo levantando junto com o nascer do sol e levando meu corpo mais longe do que jamais pensei ser possível? Essa questão está no centro da minha jornada e tive que enfrentar verdades duras ao longo do caminho.

O que acabei entendendo é que a depressão sempre me definiu, mesmo que poucas pessoas soubessem que ela estava lá. Quando esses humores assumiam o controle, eu me envolvia em uma concha protetora para mantê-los afastados. Na maioria das vezes, eu simplesmente me afastava de tudo, onde podia ficar sozinho com minha turbulência interior. É uma maneira cansativa de viver e as ultrarunnings concentrou minhas intenções além de simplesmente gerenciar meus sintomas.

A rotina me mantém equilibrado, e eu a expandi gradualmente para incluir melhor nutrição e treinamento de força mais inteligente, além de práticas de ioga e meditação. Fora das responsabilidades familiares e profissionais, minha vida gira em torno do meu horário de treinamento.

Se algo disso sai do controle, começo a sentir a atração do abismo. Quando tudo se encaixa, me sinto como um guerreiro moderno. Atingir um equilíbrio mais saudável é o objetivo do treinamento e não importa o quão longe eu vá, finalmente aceitei que não posso superar minha depressão e não posso viver passivamente com eles. Então, estou fazendo dele meu parceiro de treinamento. Isso me mantém motivado para evitar o momentos de baixa e mantém os pés no chão quando fico muito empolgado. Ela ficará comigo pelo resto da minha vida. Tudo o que posso fazer é seguir em frente.

Publicado originalmente em https://elemental.medium.com/extreme-athleticism-is-the-new-midlife-crisis-d87199a18bed