Trail Run

Do Alasca para a Serra Fina: Joilson Ferreira está confirmado na La Misión Brasil

Corredor baiano completou a ultramaratona na neve no início deste ano

O frio do inverno na região da Serra Fina, onde será disputada a quinta edição da La Misión Brasil, pode ser um desafio para muitos corredores, mas para um dos atletas inscritos na prova ele não fará nem cócegas: Joilson Ferreira, o Jabá, que foi campeão da ultramaratona do Alasca (Iditasport Race), em fevereiro, enfrentando temperaturas por volta de -40°C durante o percurso de 320 km, que ele completou em três dias, 18 horas e 54 minutos.

Além de ter vencido a prova, o feito merece destaque porque há dois anos nenhum atleta conseguia completá-la – o que, a princípio, era o principal objetivo do corredor baiano. Além das adversidades como a neve e o frio extremo, ele também teve que carregar um trenó de 43 quilos, em que levava os suprimentos necessários para completar a prova, como roupas extras, comida e a barraca.

A vitória no Alasca foi a consagração de Jabá no mundo das ultramaratonas. Foto: Luciana Marchese

A vitória no Alasca foi a consagração de Jabá no mundo das ultramaratonas. Foto: Luciana Marchese”Foi doideira, simplesmente provei para mim mesmo que a gente consegue fazer coisas incríveis. A chave foi controlar bem a mente, com pensamentos positivos, e estar bem com Deus. Tendo isso, é possível alcançar os objetivos mais extremos”, afirma Jabá, que conseguiu índice para disputar a Ultramaratona do Alasca depois de disputar outra prova em solo norte-americano: os 217 km da Arrowhead, em Minnesota.

La Misión Brasil

O próximo desafio dele em 2018 será os 80 km da La Misión Brasil, prova que ele conhece bem e que vai disputar pela quarta vez.

“A La Misión Brasil é bastante desafiadora e bem dura, claro que com características diferentes da Ultramaratona do Alasca. Eu encarei as subidas da Serra Fina pela primeira vez em 2014 e terminei os 80 quilômetros em 25 horas, bem acima da minha previsão, que era de 16 horas”, conta.

Joilson voltou a disputar a prova mineira nos anos de 2015 (40 km) e 2017 (55 km) para acompanhar alguns alunos. Nestas oportunidades, já conhecendo as características desafiadoras, pôde se preparar melhor em relação à quantidade de comida e aos perrengues no meio da trilha, além de manter a mente tranquila durante o percurso.

Após disputar a La misión original, na Argentina, o baiano segue para sua quarta participação na edição brasileira. Foto: arquivo pessoal.
Após disputar a La misión original, na Argentina, o baiano segue para sua quarta participação na edição brasileira. Foto: arquivo pessoal.

Por estar acompanhado dos alunos, ele não conseguiu impor o seu ritmo de forma competitiva nas edições anteriores, mas está empenhado na preparação para a prova deste ano.

“Eu estou treinando e me preparando porque é uma prova desafiadora e muito técnica. Estou focado em melhorar o treino de altimetria, não só a quilometragem, mas estou tentando fazer um acumulado por semana, com o objetivo de chegar a três mil metros mais ou menos. De quilometragem, eu estou rodando uns 130 km por semana”, afirma o corredor, que também já disputou a La Misión original, na Argentina.

Durante a prova do Alasca ele chegou a ser atropelado por um trenó, mas conseguiu se reerguer para vencer a disputa. Foto: arquivo pessoal.
Durante a prova do Alasca ele chegou a ser atropelado por um trenó, mas conseguiu se reerguer para vencer a disputa. Foto: arquivo pessoal.

Sobre a prova brasileira, ele ressalta uma característica especial além dos desafios: “é um local que vale muito a pena, a Serra Fina é espetacular, o visual durante o percurso é muito lindo”.
A La Misión Brasil será realizada entre os dias 17 e 19 de agosto, com percursos de 80, 50, 35 e 15 quilômetros. A prova é disputada em formato de autossuficiência, ou seja, todos os corredores deverão levar seu próprio alimento e hidratação para toda a duração da prova.

As inscrições seguem abertas e podem ser feitas pelo site oficial: www.lamisionbrasil.com.br.

O evento tem a chancela da Federação Internacional de Skyrunning e será válido pelo campeonato nacional de Skyrunner nas modalidades 80 km Ultra SkyMarathon e 35 km SkyMarathon. Além disso, os finishers dos 80 quilômetros receberão quatro pontos ITRA, os dos 50 km receberão três e os concluintes do 35km receberão dois.

Comentários Facebook

Disqus

advmag