Alimentação no combate ao frio

Saiba como a alimentação pode ajudar a evitar os prejuízos do frio em provas de aventura

Termoregulação
Todos os processos que o ocorrem no nosso organismo necessitam de uma temperatura adequada, podendo ocorrer mais rapidamente ou de forma mais lenta, dependendo da temperatura que o organismo se encontra. Dentre esse processos estão o fornecimento de energia para o músculo, ações musculares, reações químicas e físicas, ação de enzimas para a digestão de nutrientes.

A regulação da temperatura torna-se fundamental, pois caso a temperatura interna baixe muito, as reações ficam lentas podendo até parar totalmente a função corporal. Por outro lado temperaturas muito altas podem desnaturar as proteínas comprometendo a integridade do organismo.

No inverno aumentamos o gasto de energia para manter a temperatura adequada do corpo, por isso precisamos ingerir mais alimentos. O nosso corpo produz calor através do metabolismo dos carboidratos, gordura e proteínas, mas a perda de calor varia para cada tipo de individuo. As pessoas magras e menores gastam mais energia para manter a temperatura, pois perdem mais fácil o calor para o meio externo.

Corridas de aventura
Já durante o exercício a necessidade de energia para manter o corpo é maior, então parte dos nutrientes vão para o exercício e a outra para manter a temperatura ideal.

Porém durante o exercício, a contração muscular também colabora para aumentar a temperatura, pois gera calor através da queima de nutrientes.

Em corridas de aventura, quando o clima está muito frio, é comum nos depararmos com situações de perigo, como a hipotermia, onde se perde mais calor do que se produz. Os tremores de frio esgotam rapidamente os estoques de glicogênio muscular, deixando o atleta ainda mais debilitado.

Quando um atleta chega a um estado de hipotermia o primeiro sinal são os tremores, mas se a exposição ao frio permanecer, os tremores começam a diminuir, e surgem alterações mentais e diminuição da performance motora.

Nutrição
Os carboidratos são os alimentos que possuem uma digestão mais fácil, produzindo energia com mais rapidez e conseqüentemente mais calor. Já as gorduras fornecem maior quantidade de energia e calor, mas demoram para digerir. Os alimentos quentes fornecem calor por condução, de forma imediata.

Como prevenir que o frio acabe com suas reservas de energia durante uma prova????

O exercício de longa duração já é responsável pela depleção dos estoques de energia corporal. Em esportes de aventura, onde o atleta enfrenta grandes variações de temperatura, esse gasto torna-se ainda maior.

Nos dias mais frios, a regra de se alimentar a cada hora nas provas colabora com a tentativa de manter a temperatura corporal, e como já foi dito, os carboidratos de rápida absorção serão os mais requisitados, como: frutas secas e açucaradas, barras de cereais, géis, lanches, biscoitos e bebidas esportivas.

As gorduras também podem colaborar: castanhas e amendoins, chocolates, queijos tipo polengues (mais práticos e menos perecíveis), azeitonas.

Alimentos com proteínas também ajudam a manter a temperatura alta por mais tempo: lanches com pão mais queijo, peru ou atum ou barras de proteínas.

Quando chega a noite a temperatura sempre tende a cair e o corpo, que estava quente, sente com isso, principalmente quando a modalidade poderá incluir travessias na água, natação ou remo.

Nessas situações alimentos quentes ajudam a manter a temperatura com mais facilidade, evitando assim uma possível hipotermia. O atleta pode levar uma garrafa térmica que mantenha temperatura do alimento ou se estiver em áreas de transições, receber ajuda dos apoios. Exemplos de alimentos: sopas e outros líquidos quentes além dos pratos quentes que podem ser elaborados pela equipe de apoio.

Conhecer os sinais do corpo e saber agir preventivamente é fundamental para um bom atleta.

Faça sempre uma estratégia nutricional para cada prova, com isso você diminui possíveis risco para a saúde!!!

 

Comentários Facebook

Disqus

advmag