Corrida de Aventura

Relato de Jonas Juckes no PY Aguazu Aventura: Sincronizando para a Expedición Guarani

Por Jonas Junckes • quinta, 02 fevereiro 2017 - 08:12

Sempre é difícil de formar um quarteto para uma corrida de aventura expedicionária. Eu e meu amigo Pedro Pinheiro estávamos procurando montar uma equipe desde outubro para a etapa do ARWS Expedicion Guarani, que será entre 4 a 12 de Março no Paraguai.Tentamos, tentamos e estávamos sem muitas opções, já que a nossa atleta Paula Barros, não poderia ir conosco nessa prova.

No dia 31 de dezembro, Diogo de Sordi entra em contato para me convidar para a Expedicion Guarani e descubro que ele já tem a integrante feminina e precisa de dois atletas. Então estava pronta a nossa formação para o ARWS Paraguai: Eu, Pedro Pinheiro, Diogo De Sordi e a paraguaia Leticia Morro. Virada de ano espetacular com muita alegria.

Como não nos conhecíamos e Leticia nos convidou para uma prova de 120km em San Bernadino (40km de Assunção), nos programamos e no final de semana 28, 29 e 30 de Janeiro fomos participar do PY Aguazu Aventura. Lideramos a primeira parte da prova que foram 3km bike, 7km canoa canadense, 25km de Trekking e voltamos mais 7km de canoa até as bikes. Pegamos um novo mapa, e aí não consegui navegar bem. Os mapas utilizados não escrevem a escala e o que vale para eles é que o quadrante vale por 1 quilômetro. Mas na minha cabeça não entendi direito essa parte, pois achei que os dois mapas viriam com a mesma escala. Mas não, o primeiro mapa era de 1:50 000 e o segundo veio na escala de 1:100 000.

Outro detalhe também foi que havia ruas no mapa que não existiam no terreno, onde também perdemos uns 20'. E pra ajudar, veio também uma desitração que mostrou os sintomas repentinamente por causa do ar seco e derrubou 3 da equipe, inclusive eu. Por isso tive que passar o mapa para meu parceiro  Diogo (o único que não desidratou) que estava sem porta mapas e navegou super bem. Em umas 3 horas de lentidão e paradas para recuperação, anoitecendo, voltamos a pedalar e eu voltei a navegar. A bike fluiu e nenhuma equipe nos ultrapassou. Conseguimos conquistar o 3°lugar com um gostinho de poder mais.

Enfim, nosso objetivo era de conhecer a equipe, ver onde podemos diminuir tempo, treinar mais tal parte, sincronizar o ritmo dos 4 membros. E mais uma grande lição de aprendizagem com o clima seco e mapa feito de uma forma diferente.

Apesar de o Brasil, não ter mais uma prova do ARWS desde 2015, temos ao nosso lado uma prova com alto nível de percurso e evento em si, e também com o preço mais barato de inscrição do ARWS, mas infelizmente com poucas equipes do Brasil participando. Claro que nós estamos financeiramente cortando muitos gastos, mas sempre é bom fazer um esforço a mais e aproveitar essa oportunidade de uma corrida de aventura dessas.

Bom, vamos lá. Em março estaremos na largada e se tudo der certo, completando essa prova tão técnica e bonita, com alegria.

Por Jonas Junckes
quinta, 02 fevereiro 2017 - 08:12 | geral
publicidade
Desafio El Cainejo dá início ao circuito Alpinultras 2017
Em seguida acontecerá a Ultra Trail Valls ...
Como uma equipe de corrida de aventura se prepara tendo atletas em diferentes cidades
Integrantes da Saci-Aksa só se encontram nas provas. ...
Quebrando o gelo - Relato de Fredy Guerra no Indomit Mendoza 2017
UTIM80 - Indomit Ultra Trail Mendoza 2017 - Cordilheira dos ...
GODZone Adventure 2018 terá $50.000 de premiação em dinheiro
A GODZone Adventure, uma das maiores corridas de aventura do ...
Video | Salomon Ultra Running Academy 2017 - Dia 1
Veja abaixo uma compilação do primeiro dia da ...
publicidade
Sites Parceiros
RBCA
Ranking Brasileiro de
Corrida de Aventura
Digital Pictures
Fotografia
Trail Hunters
Portal Trail Running
Cadastro
Cadastre seu email e receba as noticias automaticamente no seu email diariamente