El Cruce Columbia 2013 contou com 2.400 atletas de 30 paises

Por Redação - 15 Fev 2013 - 01h49

Finalizou com êxito o El Cruce Columbia 2013, a maior corrida de montanha da América do Sul que recebeu 2.400 competidores de 30 países que cumpriram o objetivo simbolico de unir o Chile e a Argentina através da Cordilheira dos Andes. Os majestosos vulcoes Villarica, Quetrupillán e Lanin foram o pano de fundo para os 100 quilômetros de percurso deste ano.

O receptivo aconteceu primeiro em Junin de los Andes, no lado argentino, e posteriormente em Pucón, no Chile. No dia 07 de fevereiro os primeiros a largar foram as 792 duplas da categoria Team desde a base do Villarica, a uma altitude de 1.400 metros, para os primeiros 31,5 quilômetros.

Com um tempo de 02h35m16s, a Team Columbia Dole (Pablo Ureta / Ezequiel Morales) foi a primeira a cruzar a linha de chegada, seguida pela Carioca Runners (Iazaldir Feitoza e José Virginio de Morais), com o tempo de 03h0m55s. Em terceiro chegou a dupla mista Núcleo Aventura/QuasarLontra, de Tessa Roorda e Miguel Mitne (03h04m42s).

El Cruce Columbia 2013

No segundo dia da prova, a categoria Team enfrentou uma distância de 38,2 quilômetros. Além de superar o percurso, os atletas começavam a enfrentar o cansaço que começava a aparecer em alguns competidores. O circuito passou pelas encostas do vulcão Quetrupillán, um gigante adormecido cuja cratera está obstruída por um glaciar milenar. A chegada aconteceu na localidade de Puesco e os primeiros postos ficaram iguais ao primeiro dia.

A grande novidade deste ano foi a inclusão da categoria Solo, que teve largada um dia depois da Teams e enfrentando o mesmo percurso. Entre os caminhos vulcânicos próximo ao Villarrica, os atletas de elite internacionais foram os primeiros a dominar o caminho e o primeiro lugar ficou com o norte-americano Max King (2h19m19s). O segundo lugar ficou com François D'Haene (2h22m35s), vencedor do Ultra-Trail du Mont-Blanc e em terceiro, Gustavo Reyes (2h23m43s), três vezes vencedor do El Cruce Columbia.

No terceiro e último dia de corrida, os atletas partiram para um percurso de 28,2 quilômetros passando por lagos, riachos e lagos e cruzando a fronteiro pela Paso Mamuil Malal, caminho à base do vulcão Lanin, localizada a 1.220 metros de altitude. Pela primeira vez os brasileiros da Carioca Runners dominaram a ponta e foram os primeiros a cruzar a linha de chegada, seguidos pela Team Columbia Dole e Nucleo Aventura/QuasarLontra.

El Cruce Columbia 2013

"Eu apostava que nossa equipe podia ganhar e assim foi. Conheço Ezequiel há muitos anos e sei que além de ser uma grande pessoa, é um excelente desportista, e isso é muito importante para montar uma boa equipe e sair a competir", comentou o cordobes Pablo Ureta, da equipe campeã Team Columbia Dole. Seu companheiro de equipe Morales, adicionou "o nivel de concentração que implica correr El Cruce Columbia foi de 100%, porque assim exige a corrida. Sem dúvida o bom desta corrida de montanha é que no meio (do percurso) se desfruta de um acampamento, um mate entre amigos e compartilha milhares de conversas e anedotas do dia".

No mesmo dia que as duplas terminavam a corrida, os atletas Solo partiam para o segundo dia de corrida. Apesar do resultado antecipado - pelos primeiros lugares se mantendo nos dias de corridas - a chegada não deixou de ser emocionante. O primeiro campeão Solo do El Cruce Columbia foi o norte-americano Max King. "Foi uma corrida maravilhosa que transitou por diferentes paisagens e com muitas características técnicas. Toda a organização foi um luxo e poder compartilhar os acampamentos com atletas de todas as partes do mundo, que agora são amigos, foi incrivel".

François D'Haene ficou com a segunda colocação. "A verdade é que pensei que o El Cruce Columbia, uma corrida de três dia e com acampamentos, não ia ser tão dura... mas me surpreendeu! Foi um circuito incrível, sempre rodeado por belas paisagens. Alémdisso, durante a última etapa, como vinha tranquilo e já com as pernas cansadas, pude disfrutar da grande disputa entre Gustava Reyes e Iker Karrera pelo terceiro lugar. A garra que ambos puseram para chegar ao final e defender sua posição foi admirável".

A listagem de atletas de elite internacionais se completava com a presença das espanholas Oihana Kortazar Aranteza e Emma Roca, além da neozelandesa Anna Frost, que formaram o podio feminino. "Os argentinos devem agradecer ao maravilhoso país que têm e a sorte de poder correr entre tanta natureza bela e selvagem. Trilhas estreitas, vulcões, montanhas maravilhosas... para mim mfoi como voltar a reencontrar a natureza pura, fazendo o que mais gosto: correr", comentou Emma Roca.

el cruce 2013

Anna Frost completou "foi tudo muito bonito, novo e divertido. Me senti em casa, pelos novos amigos que fiz ao longo da corrida e pelas belas paisagens similares a da Nova Zelândia. Trilhas mágicas, vulcões, montanhas, sempre rodeada de tanta natureza, como em um livro do escritor infantil Dr. Seuss. Até sentia que as árvores poderiam me abraçar a qualquer momento!"

Classificação Geral
Solo Masculino

1 - Max King: 07h56m36s.
2 - Francois D´Haene: 08h05m30s.
3 - Iker Karrera: 08h21m43s.

Solo Feminino
1 - Oihana Kortazar Aranzeta: 09h44m42s .
2 - Emma Roca: 09h56m54s .
3 - Anna Frost: 10h39m57s

Categoria TEAM
1 - Team Columbia Dole: 9h55m43s
2 - Carioca Runners: 10h21m30s
3 - Nucleo Aventura/Quasar Lontra: 10h47s42s.

Para mais informações e resultados completos: www.elcrucecolumbia.com

Redação
Por Redação
15 Fev 2013 - 01h49 | geral |
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
Cadastro
Cadastre seu email e receba as noticias automaticamente no seu email diariamente