Multisport

Fodaxman Extreme Triathlon acontece na Serra do Rio do Rastro

No dia 14 de dezembro, 90 triatletas de sete países estarão alinhados para a largada da quarta edição do Fodaxman Extreme Triathlon. Primeira prova de triathlon extremo das Américas, neste ano o evento passa a integrar o XTri World Tour, o circuito mundial de provas de Extreme Triathlon. O desafio contempla as mesmas distâncias de um IRONMAN, com 3,8 km de natação, 180 km de ciclismo e 42,2 km de corrida, mas com um grau de dificuldade maior durante o percurso.

Após as duas primeiras edições, o Fodaxman Extreme Triathlon consolidou sua posição no cenário mundial em 2018 como uma das grandes provas do calendário e neste ano receberá atletas de outros seis países, além do Brasil: Argentina, Bélgica, Bolívia, Inglaterra, Noruega e Estados Unidos. Outra grande novidade é de que o evento deste ano será “prospect race” do Xtri World Tour.

Em 2019, além do Fodaxman, mais duas provas foram selecionadas como “prospect races”: Black Lake Xtreme Triathlon, em Montenegro, e Manx Xtreme Triathlon, na Ilha de Man. Os três eventos se unem ao Norseman (Noruega), Swissman (Suíça), Celtman (Escócia), Janosik Slovak (Eslováquia), Canadaman (Canadá), Swedeman (Suécia), Icon (Itália), Hispaman (Espanha) e Patagonman (Chile). Cada uma das provas do XTri World Tour é classificatória para o XTri World Championship.

Pela frente os 90 competidores terão que encarar a natação na barragem do Rio São Bento, com largada às 4h da manhã, sendo o primeiro grande desafio nadar no escuro. Os 180 km de ciclismo tem como ponto alto o desafio na Serra do Rio do Rastro, acumulando 3,650 metros de altimetria. Já os 42,2 km de corrida desafiam os triatletas em um percurso com muita elevação, 1,250 metros, e o trecho final acontecendo no Morro da Igreja, a 1,818 metros acima do nível do mar.

Sobre o Fodaxman

Considerado um dos triathlons mais desafiadores do mundo, o Fodaxman surgiu durante o treinamento de um grupo de quatro triatletas que pedalavam entre Lauro Muller e Urubici. “Sonhávamos como seria realizar a primeira prova de triathlon extremo das Américas. A ideia foi tomando forma e o primeiro passo foi definir um percurso viável que passasse pela Serra do Rio do Rastro e tivesse as distâncias aproximadas de uma prova full distance”, explica Fernando Palhares, um dos organizadores do evento ao lado de Rafael Pina, Felipe Manente e Fabrício Abido.

Após descobrirem uma lagoa para o trajeto de natação o percurso de ciclismo até Urubici ficou viável, com exatos 180 km e sem a necessidade de um único retorno. Definido o trajeto os organizadores passaram a elaborar as regras da competição, que ocorreu pela primeira vez em 2017.

Queríamos resgatar o verdadeiro espírito do triathlon, tão esquecido nas competições atuais. A satisfação em terminar deveria ser maior que o tempo de prova, o desafio em superar nossos próprios limites deveria ser mais importante do que a colocação, os demais atletas seriam nossos companheiros de jornada ao invés de adversários, a imponência da natureza sentida na dificuldade do percurso nos ensinaria a sermos mais humildes”, avalia Fernando Palhares.

Com dez atletas convidados o evento estreou em janeiro de 2017 e para a segunda edição a organização decidiu ampliar as inscrições, abrindo vagas para outros triatletas se candidatarem (aprovados após análise do perfil esportivo). O percurso também foi incrementado com a inclusão dos 16 km de subida do Morro da Igreja, que propiciou uma chegada épica no topo a 1,818 m de altitude.

Mais informações: https://www.fodaxman.com.br/