Científico Destaques

Pesquisadores encontram fator limite de endurance do corpo humano

Cientistas dizem ter encontrado o limite de endurance do corpo humano ao analisar uma corrida de 3.000 milhas, o Tour de France e outros eventos de longa duração.

O valor limite que encontraram foi 2.5 vezes a taxa metabólica do corpo em repouso ou 4.000 calorias por dia para uma pessoa média. Qualquer coisa acima desse valor não é sustentável a longo prazo.

O estudo começou com o Race Across the USA (não confundir com o Race Across America), onde os atletas correram 3.080 milhas da Califórnia até Washington DC em 140 dias. Foram seis maratonas por semana durante meses e cientistas acompanharam atletas para investigar o efeito em seus corpos.

A taxa metabólica em repouso – as calorias que o corpo gasta quando está relaxado – foi medida antes e durante a corrida, assim como as calorias gastas.

O estudo mostrou que no início da atividade o gasto foi alto, mas eventualmente se nivelou em aproximadamente 2.5 vezes a taxa metabólica em repouso.

Tour de France foi um dos eventos utilizados como base de pesquisa

O estudo encontrou um padrão entre a duração de evento esportivo e a energia gasta – quanto mais longo o evento, mais difícil queimar calorias.

As pessoas podem ir além da taxa metabólica base ao realizar exercícios de curta duração, mas isso se torna insustentável em longo prazo.

O estudo também mostrou que correr uma maratona pode ser muita coisa para muita gente, mas está longe do limite humano.

  • Corredores de maratona usam 15.6 vezes sua taxa metabólica em repouso
  • Ciclistas do Tour de France gastaram 4.9 vezes sua taxa metabólica em repouso durante os 23 dias do evento.
  • Em uma expedição de 95 dias na Antártida, uma pessoa gastou 3.5 vezes sua taxa metabólica em repouso.
  • E saindo das atividades físicas, as mulheres grávidas chegaram ao limite de 2.2 vezes a taxa metabólica em repouso.
Medição de gasto de energia em descanso em atleta do Race Across the USA. Foto: Bryce Carlson

Os pesquisadores acreditam que o fator 2.5 deve estar relacionado ao sistema digestivo e não tem nenhuma relação com coração, pulmões ou músculos.

Eles descobriram que o corpo não consegue digerir, absorver e processar calorias e nutrientes suficientes para sustentar o uso de um alto nível de energia.

O corpo pode utilizar suas própria fontes queimando gordura ou massa muscular – que podem ser recuperadas depois – em eventos curtos. Mas em eventos extremos – no limite da exaustão humana – o corpo precisa balancear o uso da energia.

Link para a pesquisa: https://advances.sciencemag.org/content/5/6/eaaw0341

Comentários Facebook

Disqus

advmag